16 junho, 2016

Tokyo Ghoul (1º Temporada) [Anime]


É envolta em uma certa confusão que a blogueira aqui traz hoje resenha de um dos animes mais me recomendados nos últimos meses.  Na verdade, este título estava presente na minha lista há um bom tempo porém sempre acabava não assistindo-o por diversos motivos. Até que, Tokyo Ghoul venceu uma enquete aqui do blog e eu finalmente obtive o empurrão que faltava para ceder uns minutos dos meus dias e ir conferi-lo. 

Tokyo Ghoul



Gênero: Seinen, terror, suspense, horror, mistério, sobrenatural
Nº de Episódios: 12
Ano: 2014
Onde Encontrar: Tokyo Ghoul Project (download)
Sinopse: Tokyo está tomada por misteriosas criaturas que devoram humanos. Apavoradas, as pessoas não sabem como identificar esses seres terríveis, pois eles se passam com perfeição por humanos comuns. Neste ambiente temos Kaneki, um jovem universitário comum, e ele é fascinado por Rize, uma jovem que ama ler os mesmos livros de terror que ele e frequenta um café nas redondezas. Mas esse pequeno mundo onde Kaneki vive está prestes a mudar… 
[Fonte: Tokyo Ghoul Project]

- Enredo

Pois bem, vocês devem estar se perguntando porque a blogueira disse estar meio confusa em relação a este anime, explicarei agora. Tokyo Ghoul causou-me grande confusão no sentido de após mais da metade dos episódios a pessoinha aqui ainda estar "em cima do muro" sem ter uma opinião fixa sobre o anime em si, sem saber se realmente gostava ou desgostava do mesmo. Afinal, o enredo é repleto de inúmeros clichês de seinen e até mesmo shounen, os quais foram tão "mesmice" que pouco me cativaram. O episódio inicial apresenta a trama de forma bem simplória e pouco exatamente explicada, inserindo os personagens que todo mundo tá cansado de ver em animes, e que são tão comuns que chega a torna-se até meio chato, e principalmente sem aquele carisma capaz de fazer o telespectador esquecer de que aquilo tudo é mais um clichê. 


Daí, ao decorrer dos episódios, somos apresentados a uma infinidade de personagens, uns malucos que parecem não ter qualquer função, outros pouco significativos, e tudo isto ocorre graças ao protagonista Kaneki Ken, o qual agora tornou-se um ghoul e passa a conhecer outros de sua nova espécie. Para quem não sabe ghouls são criaturas que já foram retratadas de diversas maneiras em dezenas de filmes, séries e etc. Já aqui no anime assumem a característica de serem criaturas canibais alimentando-se de humanos e/ou outros ghouls. O ritmo do anime não é do tipo chato, pelo contrário, segue a linha dos shounens com ação e cenas até empolgantes de luta. O grande problema é que o Kaneki - o qual falarei mais detalhadamente abaixo - não me convenceu no início e toda a inserção de tantos personagens em pouco tempo sem qualquer foco mais profundo, digamos assim, realmente não estava me prendendo a atenção. Como Tokyo Ghoyl tornou-se um sucesso, minhas expectativas para com ele eram altas e talvez por isto, eu não tenha amado o anime tanto quanto esperava. Não que o anime seja ruim, não é isso, mas a lentidão em chegar ao clímax da trama toda e o protagonista tão chatinho de início, pouco me convenceram. A salvação ocorreu nos dois últimos episódios, os quais comentarei posteriormente.

- Personagens

Kaneki Ken

Inicialmente, eu achei o Ken um fofo e até simpatizei com o personagem mas daí, o menino passou a ser irritante. Seu jeito gentil e politicamente correto tornaram-o chato de se ver, afinal ele sempre agia como um gatinho assustado e cá entre nós, protagonista de seinen agindo assim é de dar nos nervos - me lembrou o inútil Yuki de Mirai Nikki. Ken era um colegial normal até marcar um encontro com uma garota chamada Rize e ser atacado por ela.

Porém, após este ataque que acarretou na morte da Rize, Kaneki passa por uma transformação. Agora, após passar por um transplante de órgãos -  estes órgãos adquiridos da Rize - para poder sobreviver, tornou-se um ghoul. É a sua nova realidade e lidar com ela será bem difícil, já que ele prefere mil vezes machucar-se do que machucar alguém. Enfim, foi um personagem principal que eu já estava adicionando na lista "detestei" até que os episódios finais chegaram, e eu fui totalmente surpreendida e passei a ser fã do moço aqui. Viva ao cabelo branco! Entendedores, entenderão!

Kirishima Touka


Touka foi outra personagem que pouco me cativou, tampouco me fez sentir aquela presença feminina marcante necessária em animes. É uma estudante e ghoul que trabalha em um cafeteria chamada Anteiku - é uma cafeteria e organização que busca viver de forma diferente dos ghouls comuns sedentos por carne humana - lugar no qual o Ken passaria a trabalhar após seu acidente. A garota é fechada e por vezes, meio mal-humorada, uma pena sua história não ter sido tão bem explorada nesta temporada - principalmente, a parte que envolvia seu irmão, a qual deixou-me curiosa - o que seria bem interessante, o jeito é aguardar que isto ocorra na próxima.

Kotaro Amon &  Kureo Mado

Amon foi um dos personagens que eu mais gostei - aquele típico amor de otaku, sabem como é né?! Sua aparência me lembrava meu grande amor Roy Mustang do famoso Full Metal Alchemist - quem sabe um dia, eu traga resenha deste maravilhoso anime pra vocês - e talvez por isso, eu tenha simpatizado com o rapaz. Enfim, Amon é parceiro do louco e obsessivo Mado e ambos  trabalham para o CCG (Comissão de Contador Ghoul) sendo responsáveis por exterminar ghouls. Amon respeita e admira seu sunbae Mado, o qual era um personagem marcante por sua obsessão em matar ghouls. Os dois estão na minha lista de personagens marcantes do anime!

Velho do CCG!

Juuzou Suzuya


Está aqui o melhor personagem de todo o anime nesta primeira temporada - pelo menos, até antes do Kaneki torna-se um protagonista decente - justamente por sua aparência estranha e todo o seu mistério. O personagem chegou aos 45 do segundo tempo porém no pouco tempo em que esteve presente nesta temporada conseguiu ser marcante, mais do que qualquer outro. Suzuya é aquele típico personagem que chega para instigar a curiosidade do telespectador e mantê-lo interessado na trama. É um dos que trabalham no CCG e aparenta ser meio desequilibrado da cabeça, o que torna o personagem mais interessante, não é mesmo?!


Temos outras dezenas de personagens que não foram muito explorados nesta temporada e como a blogueira não lê o mangá não sabe para que servem, o que talvez fique claro na próxima temporada. No geral, os que achei importante mencionar são só esses mesmo, os outros - tais como o melhor amigo do Ken, a pirralha Hinami e demais constituintes da Anteiku, CCG - talvez ganhem uma menção posteriormente na resenha da segunda temporada - a qual pretendo trazer em breve.

- Episódios Finais

Então, após toda a confusão e eu estar totalmente em cima do muro, tentando decidir se realmente havia curtido ou não o anime, eis que temos os melhores episódios finais dos últimos tempos. Os quais me fariam entender a proposta da primeira temporada do anime e decidir que apesar dos clichês, Tokyo Ghoul era um anime que merecia ser recomendado. É um dos melhores e mais surtantes? Não! Mas consegue ao fim de sua temporada, fazer o telespectador sentir que apesar de tudo valeu a pena ter assistido ao anime. O penúltimo episódio traz um cenário que serviria de gancho para introduzir o grande momento do último, temos a reunião de muitos personagens e interessantes batalhas entre eles. Tudo estava seguindo para o curso o qual anime - creio eu - pretendia chegar desde o início - demorou, mas chegou!

Temos no último episódio, a grande evolução do Kaneki e tudo isto graças aos momentos aterrorizantes que ele estava vivenciado - provando que o anime é um seinen meio sangrento e cruel - o clímax estava ali: na transformação do Kaneki em um verdadeiro protagonista, e que clímax heim?! O momento em si foi um dos mais marcantes que eu já vi na minha vida otaku.
Todos os diálogos entre o Kaneki e a Rize - que estava a todo tempo mantendo-se como parte do subconsciente dele -  foram inteligentes e bem trabalhados acarretando na chocante "explosão" do personagem. E aí sim, Tokyo Ghoul tornou-se interessante e empolgante para a blogueira aqui.

Melhor cena!!!!

Entretanto, como nem tudo são flores isto aconteceu logo no último episódio e eu fiquei aqui querendo a continuação... ainda bem que conferi este anime após tanto tempo, pois agora já tem a segunda temporada disponível. Imagina esperar a continuação? Teria sido terrível pra mim! Enfim, assim que a blogueira terminar a segunda temporada trará resenha certo?!

- Conclusão: Tokyo Ghoul é um anime meio clichê para quem já assistiu um considerável número de animes mas que ao se entender a ideia central do enredo, torna-se interessante. Não entrou para minha lista de queridinhos, mas após os 12 episódios me fez desconsiderar o possível arrependimento de gastar minutos da minha vida vendo-o, considerei então que valeu a pena assisti-lo. Quanto menos expectativas você criar, melhor! Se for com muita sede ao pote como eu fui, pode acabar meio "em cima do muro" temporariamente, até que os dois últimos episódios venham e te conquistem. Para saber mais sobre o universo de Tokyo Ghoul, acesse o Tokyo Ghoul Project, o qual recomendo para possíveis dúvidas e curiosidades, eu mesma o acessei e gostei muito! Espero que tenham curtido a resenha, não deixem de comentar! Segue abaixo a opening e ending do anime, as quais não curti muito de início mas me conquistaram posteriormente!

UNRAVEL - Opening



Seijatachi - Ending



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião também é importante. Comente! (:

Compartilhe