Menu

The King 2 Hearts [K-Drama]


Junho é aniversário do MDUGS, mas quem ganha o presente são os leitores, claro. \o/ Vocês votaram nas enquetes e escolheram este título para ser resenhado, então fui lá conferir o dorama e compreendi porque queriam tanto vê-lo aqui no blog. Vamos lá comentar sobre uma Coreia do Sul fictícia com rei, rainha e príncipes?!


Sinopse: Em The King 2 Hearts, a Coréia do Sul é governada por uma monarquia constitucional, mas, com exceção da família real estar no poder, os problemas políticos, econômicos e sociais são os mesmos da realidade. Com seus vizinhos a Coréia do Norte como inimigo o mundo teme uma guerra. O irmão mais novo do rei, príncipe Lee Jae Ha, diferentemente do irmão, é um jovem mimado que deseja nunca ter que assumir o poder, para ensiná-lo sobre as responsabilidades da família real ele é mandado para o exército, e o rei decide juntar as duas Coreias para competir juntas pela 'Olimpíada Mundial dos Oficiais', então o Príncipe Lee Jae Ha, passa a treinar com a agente norte-coreana Kim Hang Ah. Na tentativa de unir os dois países, apesar das ideologias distintas, o rei Lee Jae Kang, decide arranjar o casamento entre o príncipe sul-coreano e a oficial norte-coreana. Agora Hang Ah e Jae Ha, terão que resolver suas diferenças e vencer o 'choque cultural' pela paz entre seus países.
Gênero: Político, Ação, Drama, Romance, Comédia
Nº de Episódios: 20
Ano: 2012
Onde Encontrar: DramaFever (online); Urameshi Downs (download); Viki (online)

- Enredo: Uma monarquia.

Antes de tudo, eu preciso mencionar aqui quão original é o enredo deste título, afinal um dorama que trata sobre Coreia do Sul e do Norte, e ainda por cima apresenta uma monarquia constitucional na Coreia do Sul é algo que até então nunca tinha visto. Como conta aí na sinopse, Lee Jae Ha é um príncipe imaturo e seu irmão mais velho, Jae Gang que se tornara rei desde a morte do pai deles, o envia para o exército, a fim de fazer do jovem Jae Ha um homem de responsabilidade. Jae Gang tem o objetivo de unificar as duas Coreias que estão divididas e para início da aproximação dos países decide montar uma única equipe formada tanto por soldados do norte quanto do sul, esta equipe será enviada para competir em uma espécie de torneio chamado Olimpíada Mundial dos Oficiais. Com a equipe formada, três soldados do norte e três do sul começam a treinar juntos e o príncipe Jae Ha é obrigado a conviver com os norte-coreanos, em contrapartida, conhece Kim Hang Ah. Em meio ao treinamento, Hang Ah e Jae Ha vivem em pé de guerra não apenas por causa das diferenças culturais, mas também por ambos terem preconceito com o país um do outro, principalmente o Jae Ha, o que eles não esperavam era que o rei da Coreia do Sul estava procurando uma norte-coreana como possível noiva do irmão, tudo para poder melhorar e firmar a relação entre as duas Coreias. Em meio ao treinamento e preparação para as Olimpíadas, há também a influência de um grupo econômico poderoso chamado Clube M, a tensão política entre as duas Coreias aumenta e a família real é ameaçada.
Tudo isso é apenas a premissa de The King 2 Hearts, um enredo que consegue mesclar gêneros bem diferentes, possuindo doses de comédia, drama do tipo que te faz mesmo chorar e um romance único. Desde que comecei a ver doramas este título está na minha lista, ou seja, fez cinco anos e me arrependo de não tê-lo conferido antes, apenas quando ele ganhou a enquete aqui do blog dei uma chance a este tão famoso drama. Posso dizer que fiquei muito satisfeita com o enredo, além de ser original consegue ter um ritmo excelente e prende o telespectador do início ao fim, principalmente quem curte doramas com romance, ação e "tretas", e se você ama fortemente histórias sobre monarquia, este dorama é a dica perfeita.

- Personagens

Lee Jae Ha (Lee Seung Gi): O príncipe imaturo!

Jae Ha é um dos príncipes da trama, após a morte do pai dele, seu irmão mais velho assume a posição de rei e ele cresce aproveitando a vida ao máximo, fugindo de sua responsabilidade como parte da realeza. É claro que seu irmão não o deixaria ficar sem fazer nada, então ele é enviado para o exército para aprender a ser um homem de responsabilidade, forte e competente, porém isso não faz o personagem amadurecer de imediato. Jae Ha é um protagonista muito imaturo no início, sempre foge de suas responsabilidades e como seu irmão mais velho assumiu o trono, ele simplesmente se sente livre o suficiente para curtir, sem nem se preocupar com os deveres de um rei.
Nos primeiros episódios conhecemos um Jae Ha extremamente imaturo, do tipo que leva tudo na brincadeira, não se preocupa com as consequências de suas atitudes e nem sequer leva em consideração a responsabilidade que tem como parte da família real, é claro que ele demonstra que lá no fundo tem determinação e coragem, porém seu lado infantil sempre se sobressai. Posteriormente, uma série de eventos faz com que o prota seja obrigado a amadurecer e nossa, a evolução dele como pessoa é tão notória e significativa que se torna comovente. O modo como abordam este amadurecimento do prota é um dos pontos mais positivos do dorama porque nos faz literalmente embarcar na jornada pessoal dele, a partir da dor, tristeza, ressentimento, culpa e felicidade, Jae Ha deixa de ser uma "criança birrenta" e se torna um homem admirável. Eu já conhecia o Seung Gi de outros doramas (My Girlfriend is a Gumiho e A Korean Odyssey) e neste aqui, mais uma vez, pude admirar o talento dele para atuação e ser comovida por suas lágrimas. Palmas para este ator!

Kim Hang Ah (Ha Ji Won): Uma norte-coreana forte que sabe ser uma doce mulher.

Hang Ah é uma norte-coreana que serve ao exército e possui grandes habilidades como soldado, sendo notável por toda a sua capacidade, justamente por isso, ela é selecionada para participar das Olimpíadas Oficiais e representar a Coreia do Norte. Hang Ah perdeu a mãe quando jovem e vive com seu pai em uma casa humilde na Coreia do Norte, além disso, guarda sentimentos por um sunbae do exército e deseja ser vista como uma mulher, não apenas como uma integrante do exército. Ela é uma personagem que tem seu lado soldado, mas que sonha em ser vista como uma boa mulher, afinal, na verdade, a moça sonha em poder vivenciar um romance e encontrar um marido, ela morre de medo de ficar encalhada. Uma das coisas que mais chamaram a minha atenção nesta personagem era a capacidade dela em oscilar, conseguia ser uma mulher que sonha em encontrar um romance, sendo totalmente doce e meiga, mas também sabia ser uma guerreira e assustadora.
Esta oscilação da personagem feminina é outro ponto bem positivo do enredo, não temos aqui aquela mocinha fraca que precisa sempre ser protegida, pelo contrário, temos uma mulher forte que toma atitudes drásticas caso seja preciso. A única coisa que eu tenho contra esta personagem e afirmo que isto me IRRITOU MUITO foi o modo como a Ji Won interpretou a prota, não estou dizendo que ela é uma péssima atriz, longe disso, MAS, sério, aquela voz e o jeito de se comportar me davam agonia, quem viu o dorama compreenderá o que estou dizendo. Com o passar dos episódios, até me acostumei, porém sendo sincera se o enredo não tivesse tantos outros pontos positivos, eu teria droppado o dorama só por causa da mocinha. O problema não era a personalidade da prota, gente! O que eu não gostei foi a maneira como a atriz interpretou a personagem, não dava para ela falar normal não? Em Hospital Ship a atriz falava como qualquer pessoa, com sua voz "normal" e não com aquele jeito irritante... E não é do sotaque que estou falando, é da voz e o modo de se comportar. Não sei se entenderam, mas é isso.

Eun Shi Kyung (Jo Jung Suk): O Guarda Real! E que Guarda!

Shi Kyung é um oficial extremamente capaz e por causa de suas habilidades entra na equipe das Olimpíadas Oficiais junto com o príncipe Jae Ha, além disso, o pai dele trabalha diretamente com o rei. Este é um daqueles personagens secundários que roubam a cena cada vez que aparece! Shi Kyung é politicamente correto, leva tudo a sério e dedica sua vida ao exército, à Coreia do Sul e sua monarquia. Por ser tão fiel ao seu país, ele de início sente a responsabilidade de treinar e cuidar do Jae Ha durante o treinamento para as Olimpíadas, o que de certo modo, acaba aproximando os dois e fazendo nascer uma amizade, porém como Shi Kyung é extremamente correto, não demonstra diretamente a amizade, ele acha que parte de seu dever é manter uma linha clara entre sua amizade e responsabilidade com o príncipe. Além disso, em certo ponto da trama, ele torna-se um dos guardas reais do palácio do rei e consequentemente, aproxima-se da princesa, já imaginam o romance né?! Comentarei mais sobre isso em outro tópico. Só posso dizer que Shi Kyung é admirável, um homem sério com um sorriso encantador e que dá um show de lealdade e coragem.

Lee Jae Shin (Lee Yoon Ji): A princesa!

Jae Shin é a princesa da trama e pode-se dizer que tem um pouco de cada irmão, é confiante como o rei, seu irmão mais velho, mas também apronta e tenta curtir a vida assim como o Jae Ha. Esta é uma das personagens que também mais apresenta mudanças ao decorrer dos episódios, no início é audaciosa e confiante, posteriormente torna-se frágil, perdendo toda a confiança e coragem que possuía em si mesma. Um certo evento abala psicologicamente a moça e a deixa completamente traumatizada, a partir daí, junto com ela o telespectador embarca em uma viagem de superação, Jae Shin precisa recuperar a pessoa que era antes. Quem ajuda muito a moça é o Guarda Real Shi Kyung e isso faz com que ela se apaixone por ele, e este amor é justamente o que a dá forças em muitos momentos difíceis, é este amor que a fortalece. Olha, eu sofri horrores com esta personagem, todos sofrem neste dorama, deixo logo isso claro, entretanto, ao ver o trauma dela, o desespero e tristeza, fiquei muito preocupada com a moça, torcendo para que ela conseguisse superar e ser feliz novamente. Jae Shin irá te comover e emocionar muito, pode apostar que você sofrerá junto com ela.

John Mayer (Yoon Je Moon): O Vilão IRRITANTE!

John Mayer é quem administra o Clube M e por causa da sua considerável quantidade de dinheiro, possui um poder político surreal ao ponto de conseguir influenciar econômica e politicamente inúmeros países. Desde o início este vilão já aparentava que seria daqueles bem irritantes e malvados, e olha, foi pior do que eu pensei. Eu simplesmente quis matar esta criatura por causa de todo o mal que ele fez, e especificamente por ter assassinado um personagem que eu amava tanto. Confesso que a motivação do Mayer para querer fazer as Coreias "brigarem", a meu ver, não era tão justificável, entretanto, considerando que ele é um louco sem qualquer noção do que faz, é compreensível não ter justificativas bem explicadas. Enfim, preparem-se para odiar esta desgraçado e todos os idiotas que o seguem e fazem o mal junto com ele.

Há muitos outros personagens, mas se eu for comentar todos a resenha ficará gigante, então deixo menção apenas para o Rei Lee Jae Gang (Lee Sung Min) que é um dos personagens mais encantadores do dorama justamente por seu senso de responsabilidade como rei e por ter pensamentos tão dignos, querendo unificar as Coreias para unir sua nação. A Rainha e mãe dos príncipes, Young Sun (Yoon Yeo Jung), é uma verdadeira mãe que se preocupa com os filhos e também com a função da realeza. Só achei que ela poderia ser mais ativa como rainha, porém considerando o contexto do dorama, faz sentido ela ser mais "fragilizada".

Preciso comentar brevemente também do secretário fiel do rei, Eun Gyu Tak (Lee Son Jae) é pai do Eun Shi Kyung e trabalha há anos como secretário e braço direito do rei, auxiliando em várias questões políticas. Um personagem que me surpreendeu tanto positivamente quanto negativamente, então prestem atenção nele.

E por último mas não menos importante, temos os soldados que formaram junto com Jae Ha, Hang Ah e Shi Kyung a equipe unificada da Coreia do Sul para competir nas Olimpíadas, a qual conseguiu ser carismática e traz momentos descontraídos juntos dos demais personagens. Aposto que assim como eu, vocês irão curtir bastante esta equipe.

- Romance Principal: Mais que um romance comum. Um romance entre as Coreias.

No início, o casal em questão segue aquela linha cão e gato, sempre se provocando e brigando quando estão juntos, mesmo precisando se unir para o treinamento da equipe unificada das Coreias, Jae Ha e Hang Ah não conseguem se dar bem. Quando os mesmos ficam sabendo que estão prestes a se tornar noivos, a situação fica ainda pior pois eles não concordam, sendo que na verdade já estão começando a se apaixonar um pelo outro. Em meio às desavenças, cisma e desentendimentos, algumas vezes com o Jae Ha passando dos limites, enganando-a e não querendo admitir que também está gostando da Hang Ah, os dois acabam compartilhando muitos momentos dos mais variados tipos. Eis que finalmente eles assumem que estão gostando um do outro e decidem ficar juntos, apresentar-se como um casal oficial e assumir qualquer consequência que possa surgir, em contrapartida, um evento específico faz com que Jae Ha assuma um cargo maior do que o de príncipe e isto o faz ter mais atenção do país, fazendo o romance dele com a Hang Ah receber também vários questionamentos.


Basicamente, este é um casal que no início se detesta, tem preconceito com o país um do outro, brigam com facilidade, mas são obrigados a se unir em nome da unificação de sua nação, consequentemente, vão se aproximando e se apaixonando. Porém, o caminho para a concretização deste romance é tortuoso, inúmeros desdobramentos surgem para separá-los e olha, a luta desses dois para ficarem juntos e se casar é uma verdadeira saga. Foi difícil viu?! O que importa é que o romance é bem desenvolvido, tornando-se um ponto alto do enredo, temos um casal com origens culturais diferentes que superam estas barreiras, lutam contra inúmeras adversidades, e fazem de tudo para poder permanecer um com o outro. Um romance marcante!

- Romance Secundário: Ai, meu SHIP! <3 </3

E o que eu mais gostei neste dorama foi, com certeza absoluta, este romance secundário porque se é para fazer o amor nascer na mais improvável situação e entre duas pessoas de posições sociais tão diferentes tem que fazer direito. Jae Shin e Shi Kyung se conhecem quando o moço é encarregado de tomar conta da princesa e gente, desde o primeiro encontro deles eu já senti vontade de shippar loucamente esses dois. À medida que os desdobramentos vão surgindo e a Jae Shin começa a ser afetada por eles, Shi Kyung se estabelece como um apoio para ela, não do tipo direto, é um apoio sutil e respeitoso já que ele a enxerga como uma princesa e sabe que deve agir como mero Guarda Real. Eis que ele não consegue mandar no coração e torna-se notório que o moço está apaixonado por ela, e a princesa Jae Shin não esconde seus sentimentos, ela simplesmente deixa-os vir à tona.

Este é aquele ship secundário que cativa, emociona e te faz torcer loucamente pela história deles, faz você desejar fortemente que Jae Shin supere seu trauma e possa ser feliz ao lado do homem que ama, faz você querer entrar na tela e conversar com o Shi Kyung, fazê-lo entender que não é porque ele é apenas um Guarda Real que não pode amar a princesa. Um casal que te conquista. É isso. E também, um casal que te faz sofrer e morrer de tristeza... Quem assistiu ao dorama entende o porquê...

- Final: Muito bom, exceto uma coisinha...

A reta final do dorama é espetacular porque os desdobramentos fisgam o telespectador, uma revelação bombástica e traumatizante é jogada na tela e só resta a sofrência, entretanto, vale ressaltar que esta revelação é genial e explica perfeitamente o motivo do trauma de tal personagem. Eis que para causar mais dor e sofrimento, um outro personagem, que por sinal era um dos meus preferidos do dorama tem um fim trágico e meu coração foi quebrado por causa disso. Sério mesmo que precisava ser assim, querida roteirista? Poxa, já não bastava meu trauma com o personagem de City Hunter, agora tenho King 2 Hearts na lista também, af. :(
Enfim, tirando esse evento que destruiu meu coração temporariamente, no geral, o encerramento da trama é bom, consegue abordar todos os questionamentos inicias da mesma e resolvê-los, tanto a unificação das Coreias quanto o casamento entre Jae Ha e Hang Ah. Acho que poderia ter menos política no último episódio, mais ação e romance extra, porém me contento com o que teve e só não digo que o final foi perfeitinho porque eu jamais esquecerei o que fizeram com meu personagem. Jamais!

- OST:

Espero que tenham curtido a resenha, afinal vocês que votaram e escolheram conferir este título resenhado aqui. Comentem aí o que acharam deste dorama, vocês assistiram em 2012 ou apenas agora, tão recentemente como eu? Ah! E por favor, me digam que eu não fui a única que fiquei abalada com o que aconteceu a tal personagem, não acredito nisso! É isso e até a próxima, abaixo deixo a OST de King 2 Hearts. E aguardem porque ainda trarei outros doramas escolhidos por vocês como presente neste mês de aniversário do blog!Beijão

Missing You - Taeyeon (SNSD)



Love is Crying - K. Will



2 comentários

Sua opinião também é importante. Comente e faça a blogueira feliz! (:

Topo