16 agosto, 2015

Trilogia Maze Runner [Livros]


Na verdade, a minha intenção era fazer uma única resenha com os três livros principais e os outros dois extras, porém o post iria ficar gigante, por isso optei por dividir e assim explorar melhor todos os volumes.

Maze Runner : Trilogia




Para quem não curte spoiler, não se preocupem pois estão livres disso aqui, é apenas a minha opinião sobre os acontecimentos de cada livro sem contar de fato o que aconteceu, é uma visão meio que por cima para deixar vocês preparados sobre o possível amor ou ódio que podem vir a sentir em relação a esta trilogia. 

Decidi ler os livros após ver o filme no cinema, fiquei tão curiosa depois daquele final incrível que claro, adicionei Maze Runner a minha lista de sagas que com certeza leria em algum momento. E foi exatamente o que fiz. Na verdade são 5 livros que compõem todo este universo, mas a história principal em si é abordada apenas nos três primeiros, o quarto é uma continuação indireta e o último, um extra.

Ao ler todos os livros posso dizer pra vocês que emoções distintas não me faltaram, cheguei a me empolgar, desanimar, amar, odiar, e o autor esteve presente em minha mente sendo "elogiado" e elogiado (sem as aspas) em muitos momentos, mas no geral, após o quinto volume, acho que finalmente entendi sua proposta e até apoio de certo modo, porém os detalhes sobre isso apenas no próximo post, onde abordarei os últimos dois livros. Vamos aos livros principais se não ficarei escrevendo aqui sem parar (rsrs).




Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.
Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito. 




O primeiro livro da saga nos apresenta um cenário confuso, assim como Thomas, personagem principal, não sabemos o que está acontecendo. Porém isso não torna o livro chato, pelo contrário, a todo momento vamos nos perguntando o porque de tudo aquilo estar acontecendo e à medida que outros personagens surgem e a trama nos conduz ao universo Maze Runner tudo torna-se interessante. 

Os personagens são bem construídos, e o que achei mais legal são as características que o autor desenvolve para cada um. Teresa é a garota misteriosa que apareceu do nada em um lugar repleto de garotos, Newt, o responsável por manter os ânimos calmos entre todos (se não fosse o Minho ele teria sido meu queridinho, rs), Thomas um protagonista que sabe tomar decisões, o que nem sempre temos em sagas, apesar de que ao decorrer dos livros fui desgostando um pouco dele, mas o meu personagem preferido sem sombra de dúvidas foi o Minho, acho que teve pouco destaque neste livro entretanto já havia chamado minha atenção, seu jeito determinado e irônico (o que ás vezes era inapropriado para a situação,rs) contribuíram para ele se tornar o meu favorito/queridinho/amado/  e sim acreditem, eu ás vezes me apaixono por personagens de livros, sou a única? (rs). 

No final do livro temos uma grande surpresa e eu como sou do tipo que ama ser surpreendida ao acompanhar qualquer história, fiquei mais encantada ainda pela saga, mesmo que tenha sido de certa forma um acontecimento triste. Para as sequências não faltariam assuntos a serem explorados, então estava muito ansiosa para ler os outros títulos.



O Labirinto foi só o começo... o pior está por vir. Depois de superarem os perigos mortais do Labirinto, Thomas e seus amigos acreditam que estão a salvo em uma nova realidade. Mas a aparente tranquilidade é interrompida quando são acordados no meio da noite por gritos lancinantes de criaturas disformes – os Cranks – que ameaçam devorá-los vivos.
Atordoados, os Clareanos descobrem que a salvação aparente na verdade pode ser outra armadilha, ainda pior que a Clareira e o Labirinto. E que as coisas não são o que aparentam. Para sobreviver nesse mundo hostil, eles terão de fazer uma travessia repleta de provas cruéis em um meio ambiente devastado, sem água, comida ou abrigo.

Calor causticante durante o dia, rajadas de vento gélido à noite, desolação e um ar irrespirável – no Deserto do novo mundo até mesmo a chuva é a promessa de uma morte agonizante. Eles, porém, não estão sozinhos – cada passo é espreitado por criaturas famintas e violentas, que atacam sem avisar. Manipulação, mentiras e traições cercam o caminho dos Clareanos, mas para Thomas a pior prova será ter de escolher em quem acreditar.



O meu livro preferido da trilogia, achei o ritmo do enredo muito bom (não posso falar o mesmo dos outros dois), a quantidade de acontecimentos surpreendentes neste volume é enorme, traições, surpresas, aqueles momentos de frio na barriga no leitor e por aí vai. As aventuras do nosso protagonista e demais personagens continuam e eu estava cada vez mais curiosa sobre o CRUEL, sobre como o Fulgor surgiu, com o porque dos experimentos, montei dúzias de perguntas e com este livro muitas outras se formavam em minha cabeça. 

Além de todas as perguntas, o autor inseriu novos personagens que se tornariam importantes para o enredo, não foi daquele tipo “vou colocar mais umas pessoas aqui para amontoar e parecer melhor”, não. Foi tudo muito bem bolado de certa forma, nossos personagens mais antigos são obrigados a lidar com situações, mudanças e encontros inesperados e isso só me fez me empolgar mais ainda, tanto que terminei o livro em 3 dias (terminaria em 2 se não fosse High Society , rs), algumas ações de certos personagens acabariam resultando em algo muito maior comprometendo relações, convivência e confiança. 

Em meio a tudo isso, as perguntas que me acompanhavam desde o primeiro livro só aumentavam e outras surgiam porém estava tudo bem porque na minha cabeça ainda teriam 2 livros (pensava que o quarto livro era uma continuação direta, descobri quando terminei o terceiro que não era nada disso, falarei mais adiante sobre isso) e os mistérios seriam solucionados, explicados e se preciso desenhados para o leitor. Terminei de ler Prova de Fogo e este se tornou o meu preferido por causa da quantidade de eventos inesperados e empolgantes que aconteceram. Os personagens foram muito bem alocados nesta sequência, sendo esse um dos pontos mais positivos de toda a saga em si. OBS: Simplesmente amei o maior destaque que o Minho teve neste livro. E sério, acho que estou apaixonada, gente. <3  Aguardando ansiosamente setembro chegar (yn')  para ver o filme.



Por trás de uma possibilidade de cura para o Fulgor, Thomas irá descobrir um plano maior, elaborado pelo CRUEL, que poderá trazer consequências desastrosas para a humanidade. Ele decide, então, entregar-se ao Experimento final. A organização garante que não há mais nada para esconder. 
Mas será possível acreditar no CRUEL? Talvez a verdade seja ainda mais terrível... uma solução mortal, sem retorno.


Eis que temos o último livro porém eu não sabia deste detalhe porque desde que procurei a trilogia para ler sempre citavam todos os quatro primeiros volumes, então concluí erroneamente que o quarto era uma continuação direta mas não era e fiquei frustrada quando descobri que se tratava de um “esclarecimento” , um extra. Ficou confuso não é? Eu sei. Vou explicar (rs). A questão é que a esta altura do campeonato as perguntas sobre muitas coisas relacionadas ao mundo de Maze Runner já estavam fervendo na minha cabeça, ou seja, uma explicação era necessária. 

O livro tem um bom começo e a trama se torna bem desenvolvida ao decorrer dos capítulos, os personagens nos envolvem na história e a expectativa para descobrir junto com eles toda a verdade só aumenta a cada instante. As surpresas não param por aí e tem uma que é tão chocante que eu tive que reler o capítulo porque não conseguia acreditar naquilo, mesmo não gostando muito pensei “mas esse tipo de coisa é necessária para uma saga deste estilo”, ok, estava tudo bem e continuei a ler. Percebi que os ganchos que James deixou no volume anterior resultaram em mais mistérios causando uma apreensão, afinal nunca se sabe o que se pode acontecer se tratando da comprovada mente maluca deste autor, muita coisa acontece formando um cenário incrivelmente envolvente (praticamente devorei estes capítulos) porém logo depois vem o declínio, queda, tombo e catástrofe nos últimos dois capítulos. 

No penúltimo temos um cena tão inesperada que até imaginar aquilo é difícil e o achei muito cruel, apesar de não ser fã de carteirinha do personagem envolvido naquela situação, sinceramente achei aquilo desnecessário, fiquei chocada, reli e tentei imaginar mas não consegui e segui para o capítulo seguinte. Após o choque, estava ansiosa para ver o próximo acontecimento e ao término do último capítulo, senti diversas emoções as quais posso resumir nesta única frase: “ como assim acabou?”. Todas as minhas perguntas, curiosidades e dúvidas ficaram do mesmo jeito, intactas. Fiquei com tanta raiva que não consegui começar imediatamente o quarto livro porém como ainda tinha esperança, decidi ler o quarto volume e esperar que James suprisse todas as falhas deixadas anteriormente.


Para saber minha conclusão após os cinco volumes desta trilogia/saga leiam o próximo post, trarei minha opinião sobre os dois últimos livros, a conclusão da trama no geral e a pergunta que virou o "símbolo" de Maze Runner: CRUEL é bom? 

Adianto que James mais uma vez me surpreendeu. Aguardem! (:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião também é importante. Comente! (:

Compartilhe